Escolha uma Página

DISCOS IMPERDÍVEIS

Félix Baigon abre a caixa preta e revela quais são as pérolas da sua discoteca.
Com sólida carreira em âmbito nacional e internacional, Baigon emprestou seu talento acompanhando artistas de renome como Yamandu Costa, Jorge Vercilo, Bibi Ferreira, Duofel, Chico Pinheiro, entre muitos outros. Baigon também vem atuando como diretor e produtor musical. Descubra quais são os discos que marcaram  e inspiraram o contrabaixista e líder do Clube do Jazz, a banda que deu vida ao Jazz Panorama nos palcos. 

Fábula – Maria João

Em Fábula, Maria João revela toda sua competência e musicalidade interpretando a intricada melodia em uníssono com o piano de Mário, culminando com um improviso onde ela explora todas as possibilidades da sua voz

Slave Mass – Hermeto Pascoal

Gravado em 1977 nos Estados Unidos , o atualíssimo Slaves Mass é um passeio pela veia nordestina desse mestre que nos mostra sonoridades mais que brejeiras ao mesclar flautas com violão e sanfona com viola como no baião Campo Aberto

Rapaz de Bem – Johnny Alf

Em Rapaz de bem, cujo belo arranjo é assinado pelo maestro Nelsinho – também exímio trombonista, Johnny brinca com sua voz colocando-a em diferentes alturas, enquanto a harmonia passeia em mudanças de tons quase imperceptíveis aos ouvidos desacostumados com essa forma de embelezamento harmônico.

Avenida Brasil – Cristóvão Bastos

    Conheci o maestro Cristovão Bastos em 1991, ao fazer uma substituição para o baixista Jorjão Carvalho em uma temporada do show do ator e cantor Luiz Armando Queiróz, no Rio Jazz Clube. Naquela época, Cristovão já era o arranjador e pianista de uma pá de...

Mistura Fina – John Patitucci

Álbum gravado em 1994, em Los Angeles, Mistura Fina contou com a participação de grandes nomes da música brasileira, como João Bosco, Dori Caymmi, Ivan Lins e Kleber Jorge, que foi crooner da Orquestra Tabajara

Romã – Hélio Delmiro

O álbum do maior e mais inventivo guitarrista brasileiro, Hélio Delmiro, figura como item obrigatório na estante de todos que apreciam a música instrumental produzida nos últimos tempos.

Chet Baker Sings – Chet Baker

Gravado entre 1954 e 1956, o álbum Chet Baker Sings é um dos melhores exemplos desse estilo de cantar e tocar criado por Baker, o Cool Jazz. O trompete passeia por sua região grave em quase todo o disco.

Time Out – The Dave Brubeck Quartet

Lançado em 1959, inovador ao extremo, Time Out é considerado um dos discos mais vendidos em todos os tempos. tem complexidade musical do início ao fim, mas é possível digeri-lo faixa a faixa.

Kind of Blue – Miles Davis

Gravado em apenas duas sessões de estúdio, nos dias 2 de Março e 22 de Abril de 1959, ´Kind of Blue´ é um registro fiel de uma era. Tudo soa espontâneo, nenhuma regra a ser seguida, apenas o sentimento.

Compartilhe esse conteúdo

Espalhe o Jazz nas suas redes sociais