Escolha uma Página

Álbum gravado em 1994, em Los Angeles, Mistura Fina contou com a participação de grandes nomes da música brasileira, como João Bosco, Dori Caymmi, Ivan Lins e Kleber Jorge, que foi crooner da Orquestra Tabajara e vive na América desde os anos 1980, e também dos feras Dave Weckl, na bateria, Steve Tavaglione, no sax, Alex Acuna, percussão, Michael Shapiro, bateria e percussão.

Fã incondicional da música brasileira, Patitucci vem, ao longo dos anos, colocando elementos rítmicos da nossa música em suas composições.

Em Mistura Fina, que dá nome ao álbum, ele mostra bem como tempera essa mistura. A música abre com uma levada afro e tem a melodia executada pelo baixo de seis cordas e vocal, seguida de um sambão no melhor estilo do que se ouve nas noites cariocas.

Tavaglione e Patitucci esbanjam bom gosto em seus instrumentos nos brindando com solos maravilhosos.

A concepção musical de Patitucci ao baixo lembra os solistas de outros instrumentos, como saxofonistas, guitarristas e até mesmo os pianistas.

Em algumas faixas, ele executa o baixo como instrumento harmônico, tocando acordes em diferentes graus de dificuldade.

Samba Novo tem a assinatura do mestre Dori Caymmi, que leva a melodia em um vocal convidativo a uma rede armada na varanda sentindo uma brisa leve. É um dos momentos mais belos do álbum.

Assisti a um show do John Patitucci na sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro, durante uma apresentação inusitada bolada por algum produtor sonhador, que só Deus sabe como, conseguiu reunir no mesmo time: John e o pianista Joe Calderazzo e os brazucas Hélio Delmiro, na guitarra, e Carlos Balla, na bateria. O show foi fantástico.

Patitucci é o baixista americano que mais toca música brasileira. Conhece as manhas do samba como poucos e suinga como um baixista tupiniquim.

Fui testemunha de um momento raríssimo após o show. Ele estava no camarim recebendo as pessoas e, de repente, arregalou os olhos ao entrar o saudoso Luizão Maia, o pai do samba no contrabaixo.

Patitucci o recebeu de joelhos enquanto o reverenciava para surpresa de todos que ali estavam preparados para o famoso beija a mão. Foi uma noite memorável.

PS: Comprei esse álbum em 2006 num sebo que fica em uma galeria na Rua do Catete, no Rio. Era um sábado chuvoso, passava por lá e vi essa pérola. Incrível, paguei apenas nove pratas por ele.

• Escute o disco •

Compartilhe esse conteúdo

Espalhe o Jazz nas suas redes sociais