Escolha uma Página

Kiko Freitas, eleito o melhor do mundo em 2019,  se apresentou em Maceió – Foto: Leo Villanova

Baquetas de ouro

Macleim Carneiro

Na última terça-feira, 10 de dezembro de 2019, o Clube do Jazz encerrou com “baquetas de ouro” sua programação de shows para esse ano. O convidado especial foi o baterista Kiko Freitas, que mostrou, em detalhes, porque foi eleito, pela bíblia dos bateras, a revista norte-americana Modern Drummer, o melhor baterista na categoria World 2019. Foi uma noite que coroou o trabalho incansável de toda equipe que faz o Clube do Jazz e o seu braço mais exitoso: o Jazz Panorama Ao Vivo. Uma ideia já consagrada pelo seleto público aquariano e capitaneada, no palco, pelo grande e querido Juan Maurer, como se fora uma extensão do programa Jazz Panorama, apresentado pela Rádio Educativa FM, há mais de 20 anos.

Ver o Teatro de Arena novamente lotado, para mais uma apresentação do Clube do Jazz e o seu convidado ilustre, foi um grande alento, um sinal ratificado de resiliência e resistência, um SIM de positividade e um interstício do NÃO à tentativa de desmonte e aniquilamento da cultura brasileira, promovidos pelo projeto de barbáries de um governo declaradamente com objetivos obscurantistas, autoritários e antidemocráticos. Em um momento de ataques deliberados às artes e seus atores, é de se aplaudir de pé e tirar o chapéu, para os que resistem, não se entregam e sabem que é na alma humana o seu lugar de apelo e abrigo, como o que vimos e sentimos naquela noite repleta de harmonia e transbordante musicalidade.

Aliás, transbordante também foi a performance de Kiko Freitas (e os demais músicos em cena), com um discurso vastíssimo e um repertório de técnicas e invenções rítmicas e sonoras, capazes de impressionar a qualquer fruidor atento ao que ele propunha e desvendava a cada compasso ou célula rítmica. Ficou bem claro todo o seu talento e o porquê do merecido reconhecimento ao longo de sua exitosa carreira. Porém, ficou ainda mais claro o tanto de labuta e lapidação, que devem ter sido necessárias ao alcance do nível em que ele se encontra, atua e paira soberano. Sinceramente, saí pensando que, se eu fosse um batera, depois do que vi, só teria uma opção: estudar, estudar e estudar!

Veja imagens do espetáculo. Fotos de Ramatis Haywanon

Share This